Médicos do INSS confrontam governo e se recusam a voltar com as perícias

Apesar da determinação da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho para que os médicos federais retomem, ainda nesta quinta-feira (17), o atendimento presencial das agências do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) pelo país, os peritos se recusam a cumprir a ordem do governo.

Na reabertura das agências, que ocorreu nesta segunda-feira (14), os médicos afirmaram que não voltariam para o trabalho pois não haviam condições sanitárias nos postos de trabalho.

A Secretaria Especial de Previdência e Trabalho afirma ter realizado inspeções nos postos durante a semana e atestou que das 169 agências estão em condições de atender o público com segurança sanitária, conforme publicado no portal UOL.

 

“Caso algum perito apto ao trabalho presencial não compareça para o serviço sem justificativa, terá registro de falta não justificada”, afirmou a secretaria. Ou seja, os peritos podem ter o salário descontado e sofrer um processo administrativo disciplinar.

Os peritos federais alegam não reconhecerem a legitimidade das inspeções. Eles alegam que a secretaria teria ignorado uma lista com itens de segurança que havia sido elaborada em comum acordo com os médicos.

Não parando por aí, eles também pedem que as inspeções sejam realizadas por peritos federais, não por “leigos”. O vice-presidente da ANMP (Associação Nacional dos Médicos Peritos da Previdência Social), Francisco Alves, afirmou que os médicos continuarão em trabalho remoto até que o INSS garanta a segurança sanitária adequada aos profissionais e ao público.

“O INSS sabe disso, mas está mentindo para a população” ao dizer que os atendimentos presenciais vão voltar hoje”, afirmou.


Crédito imagem: Agência Brasil

Crédito matéria: Gabriel Neves