Senado se prepara para votar piso salarial e carga horária para enfermeiros

Projeto de Lei (PL) n° 2564/2020 , que visa estabelecer o piso salarial dos profissionais de Enfermagem, está no Senado Federal para ser analisado e votado.

A iniciativa corresponde a uma das grandes lutas travada pela categoria há anos. A reivindicação tem o intuito de reconhecer e valorizar o trabalho desses profissionais. Além disso, a proposta também corrigiria a discrepância entre as remunerações praticados pelo país afora.

O Senador capixaba Fabiano Contarato é o autor do projeto, que foi apresentado no dia 12/05/2020 como Projeto de Lei N°2564 para implantação do Piso Salarial Nacional da Enfermagem e Parteira. Ele justifica: “A fixação do piso salarial nacional à profissionais de enfermagem e das atividades auxiliares é um reparo imprescindível a ser feito. É preciso lembrar que na carreira da saúde a disparidade salarial é evidente e marcante, basta comparar a remuneração de médicos e de enfermeiros.”

No mês de Março, a senadora Zenaide Maia foi designada em plenário para ser a relatora da matéria.

O PL 2564/2020 propõe o piso salarial de R$ 7.315,00 para enfermeiros, R$ 5.120,00 para técnicos, e R$ 3.657,00 para auxiliares de Enfermagem. A PL abrange o setor público e privado, inclusive entidades filantrópicas e organizações sociais de saúde. Há uma consulta pública em aberto, no site do senado, que pode ser acessada aqui.

Impeditivos à adesão do piso salarial para enfermeiros

Contrárias à aprovação da proposta (criação do piso nacional e da redução da jornada), entidades como a Associação Brasileira de Planos de Saúde, Associação Nacional de Hospitais Privados e Confederação das Santas Casas de Misericórdia, Hospitais e Entidades Filantrópicas, encaminharam um oficio ao Senado, alegando que estão em dificuldades financeiras neste momento de pandemia.

Em resposta, o Fórum Nacional da Enfermagem, órgão composto por conselhos e associações da área, fez uma Nota de Repudio à essa manobra para frear a votação do Projeto de Lei. Na nota, reiteram que “no Brasil, sempre houve grande disparidade nos salários pagos aos profissionais da Enfermagem, nas capitais e nas cidades do interior. Soma-se a isso a falta de estrutura, assédio nos ambientes de trabalho, sobrecarga de trabalho e muitos outros problemas estruturais.” Acrescentam que “é no mínimo revoltante ver as mesmas entidades que fazem campanhas homenageando esses profissionais, pedindo aplausos da população, não aceitarem pagar salários dignos a enfermeiros, técnicos e auxiliares.”

As dificuldades enfrentadas pelos enfermeiros e nas atividades auxiliares

É fato que antes mesmo da pandemia se instalar, as condições de trabalhos deles já não eram favoráveis, com a diminuição das políticas sociais e do enxugamento da máquina pública. Desde que a doença Covid-19 se disseminou pelo Brasil, os enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem vem sofrendo ainda mais sérios problemas estruturais, organizacionais e de condições laborais.

Essa dificuldade é marcada pela escassez de equipamentos e insumos, a carência de pessoal e o ritmo de trabalho intenso. Tudo isso culmina com um quadro preocupante de sofrimento mental dos trabalhadores da saúde. As doenças de fundo psíquico, como transtorno de ansiedade e de pânico, depressão, estresse, insônia, são as principais razões para o afastamento do trabalho, adoecimentos, e até, de suicídios e morte.

Os fatores que aumentam o risco de adoecimento psíquico dos trabalhadores de enfermagem são: o isolamento social, que os afastam de familiares e entes queridos, conviver com um alto numero de óbitos de pacientes sob seus cuidados, e observar a morte de colegas de trabalho em consequência da contaminação.

Segundo o COFEN (Conselho Federal de Enfermagem), em 2020, 44.441 enfermeiros, técnicos e auxiliares foram afastados do trabalho e colocados em quarentena após serem infectados pela Covid-19, um número considerável dentro de um universo de pouco mais de 2 milhões de profissionais da área.

Jurema Werneck, diretora-executiva da Anistia Internacional Brasil, diz que a morte de profissionais de saúde tem relação com a política adotada pelo poder público. Ela falou ao COFEN : “A falta de enfrentamento unificado da pandemia, a má aplicação do orçamento da saúde destinado ao combate da Covid-19 e a falta de exemplo de autoridades brasileiras diante de inúmeras recomendações de segurança e proteção foram fatores determinantes para as mortes dos profissionais de saúde e demais pessoas vítimas da doença”.

No mesmo artigo do COFEN, vemos que dados do Ministério da Saúde indicam que 1 profissional de saúde morre a cada 19 horas no país. Mas as entidades dos enfermeiros acreditam que este numero está subnotificado. Levantamentos do CFM (Conselho Federal de Medicina) e do COFEN apontam que no pais acontece a morte de 1 profissional de saúde a cada 7 horas e meia.

O Conselho Internacional dos Enfermeiros (International Council of Nurses ? ICN), revelou que um terço dos profissionais de saúde mortos na pandemia, até agora, são brasileiros. “Sem dúvidas, a falta de EPI adequado, as más condições de trabalho que estão expostos, jornadas de trabalhos exaustivas e a omissão das gestões ocasionaram esse grande número de óbitos na enfermagem brasileira”, afirma o enfermeiro Eduardo Fernando de Souza, coordenador do Comitê Gestor de Crise Covid-19 do Cofen.

Ciente de tudo isso, o COFEN criou um serviço de apoio, por meio de um chat em seu site. O objetivo é ajudar e orientar profissionais de saude que precisem de suporte em sua saúde mental.

O protagonismo da Enfermagem

A Organização Panamericana  da Saúde (OPAS) e a Organização Mundial da Saúde (OMS) definem o ano de 2020 como o ano dos profissionais de enfermagem e obstetrizes. Havia um esforço coletivo e internacional para valorizar o profissional, que mesmo tão necessário, necessita de luta para que haja reconhecimento de suas ações e valorização profissional. .

Aqui no Brasil, profissionais de saúde foram ovacionados nas ruas de várias cidades. As pessoas, de suas residências ou através das redes sociais, puderam mostrar respeito e agradecimento aos profissionais de saúde, por uma incansável assistência a sociedade que não começa em tempos de crise, mas está presente de forma ininterrupta na vida das pessoas, desde o nascimento até a morte.

No mundo contemporâneo, onde máquinas ameaçam várias profissões, a enfermagem se estabelece, uma vez que a tecnologia não poderá substituir o que é humano. O trabalho dos profissionais de enfermagem é quase anônimo, em tempos de crise, muitas vezes se valoriza e mais se fala na figura do médico. No entanto, são nos profissionais de enfermagem que cuidam da maior parte do cuidado, enquanto os médicos ficam pouco tempo com cada paciente.

 


Crédito imagem: Divulgação

Crédito matéria: Por Atualidades, Notícias